Desgaste do joelho e cartilagem desgastada

Desgaste do joelho e cartilagem desgastada

O desgaste da cartilagem do joelho frequentemente provoca sintomas como dor e inflamação. Muitas pessoas também se preocupam com o desgaste futuro do joelho, especialmente aquelas que já tiveram um diagnóstico de lesão, praticam atividades esportivas ou possuem histórico familiar de problemas no joelho. Saiba mais sobre as causas, sintomas, tratamento e medidas de prevenção para o desgaste do joelho.

Todo desgaste do joelho é um problema? Cartilagem desgastada é uma doença?

O desgaste do joelho pode, ou não, representar um problema.

Por um lado, o desgaste da cartilagem pode estar relacionado com sintomas e comprometimento de funcionalidade para atividades. Por outro lado, os tecidos do joelho podem sofrer desgaste natural ao longo da vida, sem necessariamente ter repercussões funcionais ou dor.

É muito comum, mesmo em pessoas sem nenhuma queixa no joelho, algumas alterações serem visualizadas em exames muito sensíveis, como a ressonância magnética. Portanto, nem toda alteração em exames de imagem deve ser interpretada como um diagnóstico de doença.

Além disso, nem toda dor ou sintoma no joelho está relacionado a uma alteração estrutural ou desgaste. Muitas vezes, as queixas estão associadas a alterações funcionais, ou seja, aquelas relacionadas ao condicionamento físico, força muscular, qualidade do movimento, tipo e volume de treinamento, entre outros fatores.

Ou seja, muito cuidado com diagnósticos baseados apenas em exames de imagem, sem considerar uma avaliação clínica completa!

Dor no Joleho

Nem toda dor do joelho é causada  por lesão, e nem toda lesão ou desgaste do joelho causa sintomas. Um diagnóstico correto depende de uma avaliação completa!

Quais são as alterações ou problemas que podem ser causados pelo desgaste do joelho?

Todos os tecidos do joelho estão sujeitos a desgaste, incluindo cartilagem, meniscos, ligamentos e osso. No entanto, as lesões mais comuns relacionadas ao desgaste envolvem o menisco e a cartilagem.

Lesões de menisco causadas por desgaste são denominadas lesões degenerativas. Saiba mais sobre as lesões de menisco, clique aqui.

Já o desgaste da cartilagem pode apresentar características variadas, resultando em problemas como:

  • Condropatia: Alteração no tecido da cartilagem, que pode variar desde a mudança de textura (condromalácia) até graus distintos de erosão. Pode ser localizada ou difusa.
  • Lesão condral focal: Perda de cartilagem em uma área específica, afetando espessura considerável, em geral maior que 50%. Devido à sua natureza delimitada, essas lesões são frequentemente descritas com base em suas dimensões.
  • Artrose ou osteoartrite: Trata-se de uma doença que provoca desgaste em todos os tecidos do joelho, principalmente na cartilagem, além de causar inflamação.
Lesão de cartilagem focal por desgaste | Dr. Pedro Giglio

Imagem de ressonância magnética de lesão de cartilagem focal por desgaste (condropatia), com os demais tecidos do joelho preservados. Já a direita, artrose do joelho, causando alteração em todos os tecidos da articulação: desgaste das duas superfícies de cartilagem, alteração do osso, perda do menisco, inflamação da sinóvia e deformidade.

Quais são os sintomas do desgaste da cartilagem do joelho?

Os sintomas mais comuns do desgaste de cartilagem no joelho incluem:

Geralmente, os sintomas se agravam durante ou após esforços. No início, podem manifestar-se apenas em atividades mais intensas, mas com a evolução da lesão, a dor pode ocorrer em atividades cotidianas e até mesmo em momentos de repouso.

Em situações de lesão na cartilagem da patela, a dor tende a ser mais intensa durante a subida ou descida de escadas, movimentos de agachar-se ou levantar-se de uma posição sentada em um assento baixo. Já em lesões do compartimento medial (interno) ou lateral (externo), a dor tende a ser no respectivo lado afetado.

Quem tem desgaste do joelho pode fazer atividade física?

Sim! Quem tem desgaste do joelho não só pode, como deve praticar atividades físicas. O sedentarismo é muito deletério para o desgaste do joelho  e a prática de uma combinação de atividades aeróbicas e de fortalecimento muscular são benéficas. É claro que, em caso de sintomas como dor ou inchaço ao praticar atividades, ou mesmo de dúvidas ou inseguranças relacionadas a exercícios e desgaste dos joelhos, é recomendável uma avaliação e acompanhamento por equipe multidisciplinar adequada, incluindo médico especialista, fisioterapeuta e preparador físico.

Os exercícios devem ser progressivos, em uma intensidade tolerada pelo paciente. Não existe contra-indicação de nenhum tipo de exercício para pessoas com desgaste do joelho, desde que estejam adequados para a sua capacidade física e não desencadeando sintomas repetidamente.

Prevenção e tratamento do Joleho | Dr. Pedro Giglio

Atividades físicas são recomendadas na prevenção e tratamento do desgaste do joelho em todas as idades. Uma combinação de exercícios aeróbicos e de resistência muscular é desejável.

Como é feito o seu diagnóstico?

As alterações estruturais relacionadas ao desgaste do joelho podem ser avaliadas detalhadamente por meio do exame de ressonância magnética. Condropatia, lesões focais e artrose são facilmente identificadas nesse exame.

As radiografias são úteis para visualizar alterações estruturais mais intensas, como a perda de espaço articular e alterações no alinhamento do membro. Esses exames são bons para acompanhamento ao longo do tempo.

No entanto, o diagnóstico do desgaste do joelho não deve se restringir à avaliação dessas alterações estruturais. É importante correlacionar os achados dos exames com os sintomas e exame clínico do paciente, além de identificar outros fatores causadores de sintomas. Alterações funcionais ou causas de dor fora do joelho não são visualizadas nesses exames, e podem ser muito importantes para o quadro clínico. Essas considerações são essenciais para um diagnóstico correto e para o planejamento do tratamento mais adequado.

Saiba mais sobre o diagnóstico adequado de dor no joelho, clique aqui.

O desgaste do joelho tem cura? Existe tratamento para regeneração da cartilagem?

Para responder a essa pergunta, é importante entender que tipo de desgaste está sendo discutido.

Na osteoartrite, as alterações de desgaste estão estabelecidas, e todos os tecidos da articulação são afetados. A osteoartrite não tem cura, nem reversão, mas tem tratamento eficaz, que pode melhorar sintomas e controlar sua progressão.

Já para lesões focais de cartilagem, localizadas, existem tratamentos que podem estimular o crescimento de nova cartilagem, ou a substituição do defeito por cartilagem sadia. Porém, esses são tratamentos cirúrgicos, necessários apenas em uma minoria dos casos. Para a maioria dos pacientes, o tratamento não cirúrgico pode controlar os sintomas e controlar a progressão da lesão.

Qual o objetivo do tratamento do desgaste do joelho?

Os objetivos do tratamento para o desgaste do joelho incluem:

  • Controlar a dor e outros sintomas
  • Preservar a função e a capacidade de realizar atividades, incluindo atividades físicas
  • Manter a qualidade de vida
  • Controlar ou reduzir a velocidade de progressão do desgaste
Joelho com desgaste grave pela artrose | Dr. Pedro Giglio

Radiografia com joelho normal (à esquerda) e joelho com desgaste grave pela artrose (à direita).

Como é o tratamento do desgaste do joelho sem cirurgia?

De forma geral, a primeira opção no tratamento do desgaste do joelho é sem cirurgia, também chamado de tratamento conservador.

O planejamento do tratamento do desgaste do joelho depende das características individuais do paciente, das lesões, da intensidade dos sintomas e suas repercussões funcionais. É essencial que o diagnóstico não se restrinja às alterações de exames de imagem do joelho, mas que sejam consideradas também causas de dor extra-articular e alterações mecânicas e funcionais.

Na maioria das situações, o tratamento inicial do desgaste do joelho inclui:

  • Controle de dor e inflamação
    • Medicações analgésicas
    • Medicações anti-inflamatórias
    • Meios físicos: bolsa de gelo, ultrassom pulsado, TENS, laser, órteses.
    • Medicações sintomáticas de ação lenta (SYSADOA) Conhecido popularmente como suplementos para cartilagem, incluem colágenos, glicosamina, condroitina, diacereína, entre outros
    • Medicações injetadas dentro do joelho (infiltrações do joelho, ácido hialurônico, viscossuplementação)
    • Bloqueio de nervos (neurotomia ou neuromodulação de nervos geniculares)
    • Tratamento de quadros dolorosos associados
      • Dor miofascial
      • Dor nociplástica ou sensibilização central
  • Reabilitação e restabelecimento de função
    • Fisioterapia individualizada
  • Exercícios físico
    • Exercícios musculares resistidos (fortalecimento)
    • Exercícios aeróbicos
    • Acompanhamento por preparador físico
  • Controle de peso
    • Acompanhamento multidisciplinar: nutricionista, endocrinologista

Todos estes pilares do tratamento do desgaste do joelho são interligados e são igualmente importantes. Porém, uma estratégia eficiente envolve um bom controle da dor desde o início., já que a dor intensa muitas vezes é um impedimento para que todas essas medidas sejam instituídas.

Fisioterapia: Em casos de desgaste do joelho | Dr. Pedro Giglio

Em casos de desgaste do joelho, a fisioterapia individualizada tem objetivos como: diminuir dor, ativar e fortalecer a musculatura, ganhar mobilidade, melhorar o controle e estabilidade das articulações, corrigir padrões de movimento, entre outros.

Em que situações é indicada a cirurgia?

A cirurgia é indicada para tratamento do desgaste apenas em situações em que o tratamento não cirúrgico não teve resultado suficiente, e o paciente continua com limitação nas suas atividades e qualidade de vida.

Quais cirurgias são feitas para o desgaste dos joelhos?

A indicação de cirurgia depende de qual o diagnóstico do desgaste do joelho. As situações mais comuns são:


Sempre procure diagnóstico, orientações médicas e um plano de tratamento individualizado. Busque um ortopedista especialista em joelho de confiança. O Núcleo de Ortopedia Especializada possui especialistas renomados em todas as áreas da Ortopedia moderna.

Referências

Evaniew, N., Simunovic, N. & Karlsson, J. Cochrane in CORR®: Viscosupplementation for the treatment of osteoarthritis of the knee. Clin. Orthop. Relat. Res. 472, 2028–2034 (2014).

McAlindon, T. E., Bannuru, R. R., Sullivan, M. C., Arden, N. K., Berenbaum, F., Bierma-Zeinstra, S. M., Hawker, G. A., Henrotin, Y., Hunter, D. J., Kawaguchi, H., Kwoh, K., Lohmander, S., Rannou, F., Roos, E. M. & Underwood, M. OARSI guidelines for the non-surgical management of knee osteoarthritis. Osteoarthritis Cartilage 22, 363–388 (2014).

Zhang, W., Moskowitz, R. W., Nuki, G., Abramson, S., Altman, R. D., Arden, N., Bierma-Zeinstra, S., Brandt, K. D., Croft, P., Doherty, M., Dougados, M., Hochberg, M., Hunter, D. J., Kwoh, K., Lohmander, L. S. & Tugwell, P. OARSI recommendations for the management of hip and knee osteoarthritis, Part II: OARSI evidence-based, expert consensus guidelines. Osteoarthritis Cartilage 16, 137–162 (2008).

Hinckel, B. B., Thomas, D., Vellios, E. E., Hancock, K. J., Calcei, J. G., Sherman, S. L., Eliasberg, C. D., Fernandes, T. L., Farr, J., Lattermann, C. & Gomoll, A. H. Algorithm for Treatment of Focal Cartilage Defects of the Knee: Classic and New Procedures. Cartilage 1947603521993219 (2021).

Smoak JB, Matthews JR, Vinod AV, Kluczynski MA, Bisson LJ. An Up-to-Date Review of the Meniscus Literature: A Systematic Summary of Systematic Reviews and Meta-analyses. Orthop J Sports Med. 2020 Sep 9;8(9):2325967120950306