Introdução

Artrose ou osteoartrite do joelho, também chamada de gonartrose, é uma doença muito comum, consequência do desgaste da cartilagem da articulação.

O que é osteoartrite ou artrose dos joelhos?

Osteoartrite ou artrose são dois nomes para a mesma doença. Ela provoca o desgaste da cartilagem e outras estruturas da articulação ao longo do tempo. O joelho é a articulação do corpo mais afetada pela osteoartrite sintomática, mas também pode ocorrer em outras articulações, como quadril, coluna, mãos, tornozelo, e ombro.

Desgaste da cartilagem e inflamação pela artrose

Desgaste da cartilagem e inflamação pela artrose

Quais são os sintomas da artrose dos joelhos?

Os principais sintomas da artrose do joelho são:

Inicialmente a dor pode ocorrer com atividades mais intensas apenas, mas com a progressão da doença pode haver dor com atividades do dia-a-dia e até mesmo em repouso.

Crises de dor na artrose

Pessoas com artrose do joelho podem ter períodos de grande piora dos sintomas, com crises de dor e inchaço.

Essas crises podem ser espontâneas, mas algumas causas e desencadeantes são:

  • Aumento súbito da inflamação
  • Sobrecarga mecânica por aumento de esforços
  • Pequenos traumas, contusões, mal-jeitos
  • Desbalanço muscular por inativação ou contratura da musculatura
  • Novas lesões da articulação

Sempre que o padrão habitual dos sintomas muda, é importante buscar ajuda do médico especialista, para entender a causa e propor o melhor tratamento.

Quadros dolorosos associados

Além da dor com origem no joelho, pessoas com artrose podem ter quadros dolorosos associados, que não têm origem na articulação:

  • Dor neuropática ou nociplástica

Dor com origem em nervos. A dor crônica pode causar desregulação da parte do sistema nervoso responsável pela sensação de dor.

Ocorre dor difusa, que não se limita ao joelho, com queimação, choque, formigamento, ou insensibilidade. Na dor nociplástica, pequenos toques na pele podem já causar sensação de dor, o que é chamado de alodínea.

  • Dor miofascial

Dor de origem na musculatura, comum na coxa, panturrilha e quadril. Pode haver dor muscular difusa, ou pontos de dor no músculo, com pequenos nódulos dolorosos palpáveis.

  • Dor mista

É a combinação de tipos diferentes de dor: inflamatória, nociceptiva, neuropática, etc.

A identificação dos quadros dolorosos associados é essencial, porque eles precisam de tratamento específico. Caso contrário, não há controle satisfatório dos sintomas, mesmo controlando a dor relacionada ao joelho em si.

O que causa a artrose?

A artrose ocorre por um processo de desgaste da cartilagem e inflamação articular.

São fatores de predisposição para artrose:

Por ser uma doença que surge lentamente, ao longo de um tempo grande, é mais comum que pessoas na terceira idade sofram com a osteoartrite. Porém, quando há uma predisposição maior, ela pode surgir em pacientes jovens.

Como é o diagnóstico da artrose dos joelhos?

A artrose é diagnosticada através de uma avaliação e exame médicos cuidadosos, e confirmada através de exames complementares.

As radiografias permitem a avaliação das alterações ósseas e a perda do espaço da articulação. A radiografia panorâmica permite avaliar o alinhamento do joelho. A ressonância magnética pode ser útil na avaliação da cartilagem, meniscos ou quando há suspeita de fraturas de insuficiência.

Artrose ou osteoartrite do joelho

Radiografia de joelho normal (esquerda) e de joelho com osteoartrite ou artrose (direita)

 São achados de exames de imagem na osteoartrite do joelho:

  • esclerose do osso subcondral: osso mais denso abaixo da cartilagem
  • osteófitos: proeminências ósseas formadas por reação à doença, equivalentes aos bicos de papagaio na coluna
  • derrame articular: acúmulo de líquido na articulação, por inflamação
  • cistos subcondrais: cistos abaixo da cartilagem
  • redução do espaço articular: cartilagem afilada
  • exposição óssea: perda completa da cartilagem sobre o osso
  • edema ósseo: alteração do osso em resposta à sobrecarga, é causa de dor
  • Alterações degenerativas dos meniscos, ou roturas meniscais
  • Alteração ou rotura degenerativa do ligamento cruzado anterior
  • Corpos livres: fragmentos de cartilagem ou osso soltos na articulação
  • sinovite: inflamação da membrana sinovial que envolve internamente o joelho

A artrose tem cura? Tratamentos para regeneração da cartilagem são possíveis?

A artrose do joelho não tem cura, uma vez que o desgaste da cartilagem não é reversível.

Porém, isso não significa que os sintomas não possam ser tratados e controlados: com o tratamento adequado, é possível grande melhora clínica. Da mesma forma, a progressão da artrose pode ser controlada com o tratamento.

Tratamentos para regeneração da cartilagem existem, mas são possíveis em caso de lesões localizadas da cartilagem. A artrose envolve desgaste difuso da cartilagem, e alterações de todos os tecidos da articulação.

Qual o objetivo do tratamento da artrose dos joelhos?

Os objetivos do tratamento da artrose são:

  • Controle da dor
  • Manutenção de função:
    • atividades do dia-a-dia
    • atividades de trabalho
    • atividades físicas
    • atividades de lazer
  • Manutenção da qualidade de vida
  • Controlar ou desacelerar progressão da doença

Como é o tratamento da artrose sem cirurgia?

A primeira linha de tratamento da artrose não envolve cirurgia, e inclui várias modalidades de intervenção (tratamento multimodal). Medidas para o tratamento da artrose envolvem:

Artrose ou osteoartrite do joelho

Reabilitação, visando a melhora do fortalecimento muscular, é um dos componentes mais importantes do tratamento não-cirúrgico

O tratamento é individualizado, ou seja, para cada paciente é usada uma estratégia dependendo dos sintomas, do tipo de lesão e do estilo de vida.

Em todos os pacientes a reabilitação e condicionamento físico é essencial. A melhora da força e massa muscular, equilíbrio e as atividades físicas leves são grandes aliados do tratamento.

Portanto, na maioria das vezes há o envolvimento de outros profissionais além do médico, como o fisioterapeuta e o educador físico.

Controle das crises de dor

Na maioria das vezes, o primeiro passo no tratamento é o alívio dos sintomas mais agudos e intensos. O paciente precisa deste controle para poder fazer de forma eficaz a parte mais importante do tratamento: reabilitação, exercícios, fortalecimento e perda de peso.

São estratégias para alívio dos sintomas agudos:

No caso de fratura de insuficiência, um período de restrição de carga é importante.

A infiltração com ácido hialurônico do joelho, chamada de viscossuplementação, é uma das ferramentas para o controle da dor e inflamação da artrose

Qual o papel de suplementos para cartilagem no tratamento da artrose?

Existem diversos produtos popularmente conhecidos como suplementos para artrose dos joelhos. O termo técnico mais correto para eles é SYSADOA: medicações sintomáticas de ação lenta.

São exemplos desse tipo de produto:

  • glicosamina
  • condroitina
  • colágeno tipo 2 não desnaturado (UCII)
  • colágeno hidrolisado
  • diacereína
  • extrato insaponificável de abacate
  • harpago ou garra-do-diabo

Essas medicações podem ajudar no controle dos sintomas da artrose, mas o tamanho do efeito esperado é pequeno. Ou seja, sozinhas, elas não proporcionam melhoras grandes, e devem ser usadas sempre em conjunto com outras modalidades de tratamento.

Em que casos é indicada a cirurgia?

A cirurgia é indicada no caso da falha do tratamento não cirúrgico adequado. Ou seja, quando há prejuízo da qualidade de vida por conta dos sintomas, mesmo após o tratamento.

Em algumas situações especiais a cirurgia também pode ser indicada. Sintomas mecânicos, como bloqueios ou fragmentos de cartilagem ou menisco soltos no joelho podem ser retirados com cirurgia. Desalinhamentos intensos e progressivos, se o joelhos está entortando consideravelmente, ou se há falhas no osso ou instabilidades importantes são situações em que a cirurgia pode ser a melhor opção.

Como são as cirurgias para artrose dos joelhos?

O tratamento é decidido individualmente, e pode incluir:

  • Cirurgia por artroscopia: para alívio de sintomas mecânicos, realizada por pequenas incisões
  • Osteotomias: cirurgias para correção de desalinhamentos, quando a artrose afeta o joelho de forma parcial
  • Prótese ou artroplastia: substituição da superfície da articulação. Pode ser parcial ou total. Saiba mais sobre prótese de joelho clicando aqui.
Artrose ou osteoartrite do joelho

Prótese total do joelho: a superfície da cartilagem desgastada é substituída pela prótese

O que é artropatia degenerativa?

Artropatia degenerativa é um termo médico genérico que significa lesão articular por desgaste, frequentemente usado em relatórios de exames de imagem. Na prática, é um sinônimo de artrose ou osteoartrite.

A localização do desgaste no joelho costuma ser indicada após o termo: compartimento medial, lateral ou patelofemoral. Quando há dois compartimentos envolvidos, é usado o termo bicompartimental. Quando todos os três compartimentos do joelho estão envolvidos, é chamada de tricompartimental.

Outros temas relacionados:

Sempre procure diagnóstico, orientações médicas e um plano de tratamento individualizado. O Núcleo de Ortopedia Especializada possui especialistas renomados em todas as áreas da Ortopedia moderna.

Referências

Sutton PM, Holloway ES. The young osteoarthritic knee: dilemmas in management. BMC Med. 2013;11: 14.

Kidd VD, Strum SR, Strum DS, Shah J. Genicular Nerve Radiofrequency Ablation for Painful Knee Arthritis: The Why and the How. JBJS Essent Surg Tech. 2019;9: e10.

Issa SN, Sharma L. Epidemiology of osteoarthritis: an update. Curr Rheumatol Rep. 2006;8: 7–15.

Uquillas C, Rossy W, Nathasingh CK, Strauss E, Jazrawi L, Gonzalez-Lomas G. Osteotomies about the knee: AAOS exhibit selection. J Bone Joint Surg Am. 2014;96: e199.

Bruyère O, Cooper C, Pelletier J-P, Maheu E, Rannou F, Branco J, et al. A consensus statement on the European Society for Clinical and Economic Aspects of Osteoporosis and Osteoarthritis (ESCEO) algorithm for the management of knee osteoarthritis-From evidence-based medicine to the real-life setting. Semin Arthritis Rheum. 2016;45: S3–11.

Schiphof D, van den Driest JJ, Runhaar J. Osteoarthritis year in review 2017: rehabilitation and outcomes. Osteoarthritis Cartilage. 2018;26: 326–340.

Power JD, Perruccio AV, Gandhi R, Veillette C, Davey JR, Syed K, et al. Neuropathic pain in end-stage hip and knee osteoarthritis: differential associations with patient-reported pain at rest and pain on activity. Osteoarthritis Cartilage. 2018;26: 363–369.

de Campos GC, de Sousa EB, Hamdan PC, de Almeida CS, Tieppo AM, de Rezende MU, et al. BRAZILIAN CONSENSUS STATEMENT ON VISCOSUPPLEMENTATION OF THE KNEE (COBRAVI). Acta Ortop Bras. 2019;27: 230–236.

Madry H, Kon E, Condello V, Peretti GM, Steinwachs M, Seil R, et al. Early osteoarthritis of the knee. Knee Surg Sports Traumatol Arthrosc. 2016;24: 1753–1762.

National Clinical Guideline Centre (UK). Osteoarthritis: Care and Management in Adults. London: National Institute for Health and Care Excellence (UK); 2014.

Glyn-Jones S, Palmer AJR, Agricola R, Price AJ, Vincent TL, Weinans H, et al. Osteoarthritis. Lancet. 2015;386: 376–387.

McAlindon TE, Bannuru RR, Sullivan MC, Arden NK, Berenbaum F, Bierma-Zeinstra SM, et al. OARSI guidelines for the non-surgical management of knee osteoarthritis. Osteoarthritis Cartilage. 2014;22: 363–388.

Zhang W, Moskowitz RW, Nuki G, Abramson S, Altman RD, Arden N, et al. OARSI recommendations for the management of hip and knee osteoarthritis, Part II: OARSI evidence-based, expert consensus guidelines. Osteoarthritis Cartilage. 2008;16: 137–162.

Agendar consulta