Prótese Parcial do Joelho ou Prótese Unicompartimental do Joelho

Prótese parcial do joelho ou prótese unicompartimental do joelho

A prótese parcial do joelho é uma opção para tratamento da artrose localizada. Tem a vantagem de ser uma cirurgia de menor porte, e com maior preservação do joelho original, em comparação com a prótese total do joelho.

O que é a prótese parcial do joelho?

A prótese parcial do joelho, também conhecida como artroplastia unicompartimental do joelho, é uma cirurgia para tratamento da artrose, que substitui parte da superfície do joelho de uma parte do joelho, ao invés de todo o joelho, como na prótese total. Por conta disso, é uma cirurgia de porte menor que a prótese total do joelho.

Prótese parcial unicompartimental do joelho | Dr. Pedro Giglio

Prótese parcial unicompartimental do joelho (à esquerda), em comparação com a prótese total do joelho.

Na prótese parcial, apenas a superfície de um compartimento do joelho é substituída.

Quais os tipos de prótese parcial ou unicompartimental do joelho?

O joelho humano é dividido em três compartimentos principais: o compartimento medial (lado interno do joelho), o compartimento lateral (lado externo) e o compartimento patelofemoral (a frente do joelho entre a patela, ou rótula, e o fêmur). A prótese parcial, ou unicompartimental do joelho, pode substituir um destes compartimentos. Ou seja, pode ser uma prótese unicompartimental medial, unicompartimental lateral ou unicompartimental patelofemoral.

De longe, a situação mais comum para o uso de prótese parcial é a artrose medial (da parte interna) do joelho, com uma unicompartimental medial. Por conta disso, é frequente usar o termo prótese parcial como sinônimo de prótese unicompartimental medial.

Radiografia de uma prótese parcial unicompartimental medial do joelho | Dr. Pedro Giglio

Radiografia de uma prótese parcial unicompartimental medial do joelho, em visão frontal e lateral. Apenas o compartimento medial (interno) do joelho foi substituído.

Qual a indicação de uma prótese do joelho?

Como qualquer prótese do joelho, a indicação da prótese parcial é a artrose  grave do joelho, quando não houver controle adequado dos sintomas sem cirurgia (tratamento conservador da artrose).

O objetivo da cirurgia é melhorar a qualidade de vida e capacidade de realizar suas atividades de vida normais.

São condições em que uma prótese parcial pode ser considerada, no lugar de uma prótese total:

  • Artrose localizada em um compartimento do joelho.
  • Ausência de grande desalinhamento, deformidade, ou perda de movimento.
  • Ligamentos do joelho preservados.
  • Ausência de obesidade mórbida.
  • Ausência de doenças como artrite reumatóide.

Ou seja, apesar das vantagens potenciais da prótese parcial (veja mais abaixo), ela não pode ser utilizada em todos os pacientes com artrose do joelho.

Quais as diferenças da prótese total para a prótese parcial do joelho?

A prótese parcial substitui apenas a superfície de parte do joelho, preservando as estruturas que não estão desgastadas pela artrose. Em comparação com a prótese total, é uma cirurgia de menor porte (porque aborda somente uma parte do joelho), e que preserva a maior parte do joelho original.

São vantagens potenciais da prótese parcial do joelho, com relação à prótese total:

  • Menos dor e inchaço no pós-operatório
  • Recuperação mais rápida
  • Sensação do joelho mais perto do natural
  • Maior intensidade de atividades

Como desvantagens da prótese parcial está o fato de não poder ser usada em todos os casos de artrose, em especial os mais graves. Além disso, por manter os demais compartimentos do joelho intactos, existe a possibilidade de progressão de artrose na parte do joelho não substituída pela prótese. Porém, esta situação é muito incomum.

Existe idade certa para fazer uma prótese do joelho?

Não existe uma restrição rígida de idade. Na maioria das vezes, próteses do joelho são realizadas em pacientes acima de 50 e 85 anos de idade.

Porém, pessoas mais jovens podem ter indicação de prótese do joelho por artroses graves, com falha de outros tratamentos, principalmente se estão sintomáticas mesmo para atividades leves do dia-a-dia. Da mesma forma, pessoas mais velhas podem ser excelentes candidatos à cirurgia, se houver condições de saúde para realização da cirurgia com segurança. É importante lembrar que a indicação de prótese do joelho é sempre individualizada.

Para indivíduos muito jovens, principalmente que praticam atividades mais intensas, com artrose de apenas um compartimento do joelho, uma outra opção de tratamento são as osteotomias, ou cirurgias para realinhamento.

Como é a recuperação após a cirurgia?

Após a prótese parcial do joelho, já é possível colocar peso na perna operada no mesmo dia. A maioria dos pacientes já anda no mesmo dia da cirurgia, com apoio de andador ou muletas apenas para equilíbrio. A alta do hospital é possível no dia seguinte na maioria dos casos.

O retorno para atividades diárias normais depende da melhora do inchaço e dolorimento do joelho, em geral entre 3 e 6 semanas. Após isso, o joelho ainda tende a melhorar nos meses subsequentes, principalmente com auxílio da reabilitação, com melhora da musculatura, equilíbrio e diminuição do inchaço residual.

Em comparação com uma prótese total do joelho, a recuperação tende a ser mais rápida, já que o tamanho da cirurgia é menor, havendo menor inchaço e inflamação no pós-operatório.

A cirurgia para a prótese parcial do joelho é dolorosa?

Existem protocolos modernos de controle de dor para cirurgia de prótese do joelho, envolvendo técnicas de anestesia, regional, local e remédios especiais. Atualmente, o esperado é que os pacientes fiquem com a dor controlada no pós-operatório.

Em comparação com a prótese total, a prótese parcial tem menor potencial de dor no pós-operatório, por ser uma cirurgia de menor porte.

Quais atividades é possível praticar após a cirurgia?

Após uma cirurgia de prótese de joelho, é esperado que todas as atividades normais da vida diária sejam retomadas. Inclusive, atividades físicas leves a moderadas são recomendadas.

Qual o material das próteses do joelho?

As próteses de joelho têm componentes metálicos e de polietileno, um tipo especial de plástico. Os metais utilizados são ligas de titânio e cromo/cobalto. O polietileno moderno utilizado em próteses têm tecnologia de múltiplas ligações entre as cadeias (cross-linking), com altíssima resistência a desgaste.

Componentes de uma prótese parcial unicompartimental medial do joelho | Dr. Pedro Giglio

Componentes de uma prótese parcial unicompartimental medial do joelho, de cima para baixo: o componente femoral, metálico, que desliza sobre o componente intermediário de polietileno, que é apoiado no componente tibial metálico.

Quais os riscos de uma cirurgia de prótese parcial do joelho?

A prótese parcial do joelho apresenta é considerada uma cirurgia segura, com baixa taxa de complicações.

Complicações graves, apesar de possíveis, são muito improváveis, entre elas: instabilidade do joelho, soltura do implante, infecção e trombose venosa profunda.

Para evitar complicações e ter uma cirurgia segura, todos os pacientes devem passar por uma avaliação rigorosa de risco cirúrgico com médico clínico ou cardiologista.

De forma geral, complicações na prótese parcial do joelho tendem a ser menos comuns do que da prótese total, por ser uma cirurgia de menor porte.

É recomendável discutir com o médico especialista os riscos e benefícios individuais, além de todas as preocupações e dúvidas sobre a cirurgia.


Sempre procure diagnóstico, orientações médicas e um plano de tratamento individualizado. Busque um ortopedista especialista em joelho de confiança. O Núcleo de Ortopedia Especializada possui especialistas renomados em todas as áreas da Ortopedia moderna.

Referências

Jennings, J. M., Kleeman-Forsthuber, L. T. & Bolognesi, M. P. Medial Unicompartmental Arthroplasty of the Knee. J. Am. Acad. Orthop. Surg. 27, 166–176 (2019).

Johal, S., Nakano, N., Baxter, M., Hujazi, I., Pandit, H. & Khanduja, V. Unicompartmental Knee Arthroplasty: The Past, Current Controversies, and Future Perspectives. J. Knee Surg. 31, 992–998 (2018).

Siman, H., Kamath, A. F., Carrillo, N., Harmsen, W. S., Pagnano, M. W. & Sierra, R. J. Unicompartmental Knee Arthroplasty vs Total Knee Arthroplasty for Medial Compartment Arthritis in Patients Older Than 75 Years: Comparable Reoperation, Revision, and Complication Rates. J. Arthroplasty 32, 1792–1797 (2017).

Wilson, H. A., Middleton, R., Abram, S. G. F., Smith, S., Alvand, A., Jackson, W. F., Bottomley, N., Hopewell, S. & Price, A. J. Patient relevant outcomes of unicompartmental versus total knee replacement: systematic review and meta-analysis. BMJ 364, l352 (2019).

Zuiderbaan, H. A., van der List, J. P., Kleeblad, L. J., Appelboom, P., Kort, N. P., Pearle, A. D. & Rademakers, M. V. Modern Indications, Results, and Global Trends in the Use of Unicompartmental Knee Arthroplasty and High Tibial Osteotomy in the Treatment of Isolated Medial Compartment Osteoarthritis. Am. J. Orthop.  45, E355–E361 (2016).

Fabre-Aubrespy, M., Ollivier, M., Pesenti, S., Parratte, S. & Argenson, J.-N. Unicompartmental Knee Arthroplasty in Patients Older Than 75 Results in Better Clinical Outcomes and Similar Survivorship Compared to Total Knee Arthroplasty. A Matched Controlled Study. J. Arthroplasty 31, 2668–2671 (2016).

Kleeblad, L. J., van der List, J. P., Zuiderbaan, H. A. & Pearle, A. D. Larger range of motion and increased return to activity, but higher revision rates following unicompartmental versus total knee arthroplasty in patients under 65: a systematic review. Knee Surg. Sports Traumatol. Arthrosc. 26, 1811–1822 (2018).