Edema ósseo é uma alteração frequente na ressonância magnética do joelho, que pode ter causas, significados e tratamentos distintos.

O que é edema ósseo no joelho?

Apesar de “edema” ser o termo médico para inchaço, o edema ósseo não é o osso inchado, já que o osso é uma estrutura rígida.

Edema ósseo é uma alteração vista na ressonância magnética, em que o osso fica mais claro em algumas sequências de imagens. Essa alteração pode estar relacionado a lesões diferentes (veja abaixo).

No joelho, o edema ósseo ocorre comumente na medula óssea da metáfise e osso logo abaixo da cartilagem (chamado osso subcondral). Por isso, é comum o uso dos termos edema medular ósseo ou edema ósseo subcondral.

Edema ósseo do joelho | Dr. Pedro Giglio

Imagem de ressonância magnética mostrando edema ósseo (seta verde) subjacente a uma lesão de cartilagem no joelho (seta vermelha), no côndilo femoral lateral.

Quais são as causas de edema ósseo no joelho?

As causas mais comuns do edema ósseo são trauma, sobrecarga e lesões do próprio osso. Veja mais detalhes no quadro a seguir:

As principais causas de edema ósseo no joelho são:

  • Trauma: 
    O edema ósseo causado por trauma também é chamado de “contusão óssea” ou bone bruise. Relacionado a contusões, torções, lesões como a de ligamento cruzado anterior.
  • Sobrecarga:
    Edema ósseo pode ser causado por sobrecarga do joelho, que pode ocorrer por excesso de uso (como excesso de treinamento), ou por fragilidade do joelho pela presença de lesões (como lesões de menisco ou cartilagem, artrose, desvio de alinhamento). O osso fragilizado por osteopenia ou osteoporose também está mais sujeito ao edema ósseo.
    Quando é por excesso de uso o edema ósseo pode representar o início de uma fratura de estresse. Quando é por menor tolerância da articulação, pode representar uma fratura de insuficiência.
  • Lesões do tecido ósseo:
    Lesões do próprio tecido ósseo também podem causar edema ósseo na ressonância magnética.
    Fraturas ou microfraturas do trabeculado ósseo podem ser consequência dos quadros de trauma ou sobrecarga descritos acima, e são acompanhadas de edema ósseo intenso.
    Além disso, são causas bem mais raras a inflamação ou destruição local do osso, causadas por osteonecrose, infecção ou tumores.
Edema ósseo do joelho | Dr. Pedro Giglio

Edema ósseo na patela e borda lateral do fêmur (setas verdes) relacionadas a trauma. Houve luxação da patela e fratura da cartilagem (fragmento de cartilagem circulado em vermelho).

Edema ósseo (setas verdes) relacionado a artrose dos joelhos

Edema ósseo (setas verdes) relacionado a artrose dos joelhos. Nota-se o desgaste intenso da cartilagem, com exposição do osso.

Quais são os sintomas do edema ósseo no joelho?

O sintomas mais comum do edema ósseo é a dor local, em geral relacionada com a carga, ou seja colocar peso no joelho. Pode ser mais intensa, e ocorrer para esforços mínimos, como andar, ou para atividades de maior intensidade e impacto, como corrida e esportes. Veja outros sintomas no quadro:

Sintomas do edema ósseo no joelho:

  • Dor com esforços
  • Dor na palpação do local
  • Dificuldade para colocar peso ou andar sem mancar
  • Inchaço em volta da articulação
  • Rigidez, dificuldade para mobilizar o joelho
  • Inibição muscular e perda de força
Dor no Joelho | Dr. Pedro Giglio

O principal sintoma do edema ósseo é a dor.

Como é investigada a causa do edema ósseo no joelho?

É essencial para o tratamento adequado do edema ósseo depende do diagnóstico adequado da causa. Uma avaliação médica completa especializada está indicada.

A história clínica traz informações essenciais para o diagnóstico: história de trauma, tempo de dor, início súbito ou progressivo, lesões prévias, antecedente de atividades físicas.

Após isso, é realizado exame físico completo, avaliando: local da dor, presença de inchaço ou derrame no joelho, mobilidade articular, estabilidade, alterações no alinhamento.

O edema ósseo é um achado no exame de ressonância magnética, e as imagens trazem informações como o local, intensidade e padrão do edema, a presença ou não de traço de fratura visível, a presença de outras lesões associadas, como dos meniscos, cartilagem, ligamentos.

Nos casos em que há suspeita de desalinhamento do joelho ou de artrose, as radiografias do joelho e radiografia panorâmica dos membros inferiores são importantes.

Fratura de insuficiência no côndilo femoral medial

Edema ósseo no joelho (seta verde) relacionado a fratura de insuficiência no côndilo femoral medial. O traço de fratura é visto como uma linha escura (círculo vermelho) no osso logo abaixo da cartilagem (osso subcondral).

Como é feito o seu tratamento?

O tratamento adequado do edema ósseo depende da sua causa, assim como o tratamento adequado de lesões e doenças associadas. Algumas medidas gerais são úteis na maioria dos casos:

  • Repouso relativo: limitar atividades àquelas bem toleradas, sem dor. Para atletas, treinos leves ou cross-training podem ser úteis.
  • Proteção de carga: Se a dor é dor intensa, mesmo ao caminhar, são usadas muletas, bengala ou andador (para pacientes idosos). O objetivo deve ser andar sem mancar e sem sentir dor
  • Controle da dor: medicações analgésicas, bolsa de gelo, analgesia com fisioterapeuta
  • Reabilitação: Essencial para combater inibição muscular, manter a mobilidade e padrão de marcha, e evitar um descondicionamento grande no período.
  • Tratamento adequado de condições e doenças associadas:
Lesão do ligamento cruzado anterior | Dr. Pedro Giglio

Edema ósseo (setas verdes) relacionado a lesão do ligamento cruzado anterior. A localização típica do edema é côndilo femoral lateral e na parte posterior do planalto lateral.

Quanto tempo demora a melhora do edema ósseo?

Com tratamento adequado, a maioria dos casos de edema ósseo tem boa evolução, com melhora dos sintomas, em um período de até 6 a 12 semanas.

Se não houver uma melhora progressiva nesse período, deve-se reavaliar se fatores causais ou associados não precisam de tratamento adicional.

É necessário tratamento cirúrgico?

O edema ósseo tem uma evolução favorável na maioria dos casos, sem necessitar de cirurgia. Porém, se for causado ou estiver associado a lesões mais intensas, pode ser necessário tratamento cirúrgico voltado para elas.

São condições associadas ao edema ósseo que podem necessitar de cirurgia: fratura de insuficiência, desalinhamento do joelho, artrose, lesão meniscal, lesão de cartilagem, entre outras.


Sempre procure diagnóstico, orientações médicas e um plano de tratamento individualizado. O Núcleo de Ortopedia Especializada possui especialistas renomados em todas as áreas da Ortopedia moderna.


Referências:

Moulopoulos LA, Koutoulidis V. Bone Marrow Edema Pattern. Bone Marrow MRI. Springer, Milano; 2015. pp. 115–126.

Zanetti M, Bruder E, Romero J, Hodler J. Bone Marrow Edema Pattern in Osteoarthritic Knees: Correlation between MR Imaging and Histologic Findings. Radiology. 2000;215: 835–840.

Roemer FW, Frobell R, Hunter DJ, Crema MD, Fischer W, Bohndorf K, et al. MRI-detected subchondral bone marrow signal alterations of the knee joint: terminology, imaging appearance, relevance and radiological differential diagnosis. Osteoarthritis Cartilage. 2009;17: 1115–1131.

Bonadio MB, Giglio PN, Helito CP, Pécora JR, Camanho GL, Demange MK. Subchondroplasty for treating bone marrow lesions in the knee – initial experience. Rev Bras Ortop. 2017;52: 325–330.

Sharkey PF, Cohen SB, Leinberry CF, Parvizi J. Subchondral bone marrow lesions associated with knee osteoarthritis. Am J Orthop. 2012;41: 413–417.

Helito CP, Partezani Helito PV, Sobrado MF, Giglio PN, Guimaraes TM, Pécora JR, et al. Degenerative Medial Meniscus Tear With a Displaced Flap Into the Meniscotibial Recess and Tibial Peripheral Reactive Bone Edema Presents Good Results With Arthroscopic Surgical Treatment. Arthroscopy. 2021. doi:10.1016/j.arthro.2021.04.033

Yamamoto T, Bullough PG. Spontaneous Osteonecrosis of the Knee: The Result of Subchondral Insufficiency Fracture*. The Journal of Bone & Joint Surgery. 2000;82: 858–866.

Nelson FR, Craig J, Francois H, Azuh O, Oyetakin-White P, King B. Subchondral insufficiency fractures and spontaneous osteonecrosis of the knee may not be related to osteoporosis. Arch Osteoporos. 2014;9: 194–197.

Jose J, Pasquotti G, Smith MK, Gupta A, Lesniak BP, Kaplan LD. Subchondral insufficiency fractures of the knee: review of imaging findings. Acta radiol. 2015;56: 714–719.

Boden BP, Osbahr DC. High-risk stress fractures: evaluation and treatment. J Am Acad Orthop Surg. 2000;8: 344–353.